Márcia Maia descarta mudança da Ceasa e cobra execução de reforma

A situação das obras da Central de Abastecimento do Rio Grande do Norte (Ceasa) motivou o pronunciamento da deputada Márcia Maia (PSDB) durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (17). A parlamentar cobrou a execução das obras que tem preocupado permissionários, lojistas, produtores rurais e comerciantes.

“Recebi uma comissão dos permissionários da Ceasa que está preocupada porque a obra não é executada. Amanhã, irei me reunir com a direção da Ceasa para saber o que está acontecendo. O atraso é preocupante e vários pais de família estão perdendo o sono com a possibilidade de fechamento da Central de Abastecimento”, disse Márcia Maia.

Após a Justiça determinar o fechamento do espaço por risco de contaminação, em outubro do ano passado, um acordo entre representantes do Poder Judiciário, Ministério Público e da Ceasa garantiu que o espaço continuasse funcionando. O mesmo acordo determinou que as adequações no espaço fossem concluídas em um prazo de seis meses.

A deputada lembrou que destinou emenda no valor de R$ 300 mil para as adequações necessárias, assim como o deputado Fernando Mineiro (PT) que dispôs emenda no mesmo valor. “Até agora não estamos vendo o avançar das obras prometidas. Apenas o projeto de drenagem foi concluído, mas as obras não foram iniciadas”.

Márcia Maia ressaltou ainda que foi criada uma comissão especial, da qual ela e o deputado Mineiro fazem parte, para acompanhar e fiscalizar a situação e que as reuniões pararam de acontecer.

“Não vamos deixar que a Ceasa feche fazendo com que a Central e Governo cumpram o acordo judicial. É preciso superar a burocracia, seguindo os trâmites legais, para iniciar as obras e garantir melhores condições de trabalho aos comerciantes, produtores e permissionários”, destacou Márcia Maia, dizendo ainda que a pena definida em caso de descumprimento da decisão judicial no prazo definido, em abril, seria o sequestro de 10% das receitas próprias da Ceasa, mas a Central tem mais cinco meses para executar a obra.

Em aparte, o deputado Fernando Mineiro reforçou a necessidade de cobrar a execução das obras e de uma reunião para se inteirar da situação atual e motivo de atrasos.

Comentários

Compartilhar